DEMANDA POR ALIMENTOS CRESCE ACIMA DA PRODUTIVIDADE MUNDIAL

27/09/2012

Novos saltos tecnológicos serão necessários para atender o consumo; Brasil terá papel-chave 


 


Os números já são conhecidos, mas ganharam novos contornos. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção global de alimentos terá que crescer 70% até 2050 em relação a 2009, a fim de atender a uma população estimada entre nove e dez bilhões de pessoas, dois bi acima da registrada no ano passado.


O crescimento populacional, especialmente nos países emergentes – China, Índia -, aliado à elevação da renda – Brasil, por exemplo – vai puxar a demanda por alimentos, energia e fibras. Todavia, restrições de terras e racionalização dos recursos naturais – como a água – são alguns dos fatores – apenas para ficar em dois dos principais – que podem limitar a produção.


A saída, disseram especialistas nesta terça-feira (25), em evento, em São Paulo (SP), é uma sequência de saltos tecnológicos que impulsione a produtividade agropecuária mundial. Ou seja, os produtores terão que fazer mais com menos, num momento em que, apesar dos preços valorizados, veem suas margens serem pressionadas pelos custos. “A demanda não é opção, ela já está aí”, afirmou o presidente da Bunge no Brasil, Pedro Parente, um dos palestrantes do Global Agribusiness Forum, que vai até esta quarta-feira (26) na capital paulista.


De acordo o ministro conselheiro para assuntos da agricultura da embaixada norte-americana no Brasil e representante do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla em inglês), Robert Holf, os preços dos grãos, das carnes e do petróleo vão subir e, em razão, da demanda aquecida se manterão valorizados por um bom tempo.


Diante deste cenário, ressaltou o presidente da DuPont no Brasil, Ricardo Vellutini, o Brasil terá que dobrar sua agroprodução nos próximos 20 anos. “É um pedido da FAO”, disse. Segundo o presidente do Conselho de Administração da J&F, Henrique Meirelles, uma questão relevante no que diz respeito ao equilíbrio entre produção e meio ambiente é de que haverá aumento de demanda justamente por produtos que exigem mais insumos para serem fabricados, como, por exemplo, as proteínas. 


 


Tecnologia é a chave



 

O problema é que a demanda vem crescendo acima da produtividade mundial, assinalou o presidente da Syngenta na América Latina, Antônio Carlos Guimarães. Segundo ele, nos últimos anos a demanda mundial por alimentos vem registrando anualmente um aumento de 1,9%, enquanto que o crescimento da produtividade vem recuando. Nos últimos 20 anos, até 2011, a produtividade avançou 1,3% ao ano, e no intervalo dos últimos sete anos cresceu menos ainda, cerca de 1,1%.

O desafio, destacou, é que para atender a demanda de maneira satisfatória, a produtividade agropecuária mundial precisa de um crescimento anual de no mínimo 1,6% daqui para frente. Na avaliação de Guimarães, pressionada por escassez de terras, mudanças climáticas, recursos naturais limitados, legislações apertadas, a produção agropecuária só tem uma saída: investir maciçamente em tecnologia. “E isso inclui, certamente, a biotecnologia”, enfatizou Holf. “Não há outro caminho a não ser investir em inovação e tecnologia”, endossou o presidente do Grupo JBS, Wesley Batista.

 







Brazilian Cattle © 2015 | Todos os direiros reservados | Créditos e Expediente
Fotos: Carlos Lopes, Fábio Fatori, Gustavo Migueol, Humberto Catão, Jadir Bison, JM Matos, Maurício Farias, Ney Braga, Rubens Ferreira, Zezinho Peres e arquivo ABCZ.
A reprodução total ou parcial do conteudo deste site, requer autorização prévia do Brazilian Cattle